PATRIMÓNIOS no BADALADAS








PATRIMÓNIOS 70
(BADALADAS - 5 DEZ 2014)




PATRIMÓNIOS 69
(BADALADAS - 14 NOV 2014)





PATRIMÓNIOS 68
(BADALADAS - 31 OUT 2014)





PATRIMÓNIOS 67
(BADALADAS - 3 OUT 2014)




PATRIMÓNIOS 66
(BADALADAS - 12 SET 2014)





PATRIMÓNIOS 65
(BADALADAS - 22 AGO 2014)





PATRIMÓNIOS 64
(BADALADAS - 1 AGO 2014)






PATRIMÓNIOS 63
(BADALADAS - 11 JUL 2014)






PATRIMÓNIOS 62
(BADALADAS - 20 JUN 2014)





PATRIMÓNIOS 61
(BADALADAS - 6 JUN 2014)





PATRIMÓNIOS 60
(BADALADAS - 9 MAI 2014)





PATRIMÓNIOS 59
(BADALADAS - 18 ABR 2014)




PATRIMÓNIOS 58
(BADALADAS - 28 MAR 2014)





PATRIMÓNIOS 57
(BADALADAS - 7 MAR 2014)





PATRIMÓNIOS 56
(BADALADAS - 14 FEV 2014)






PATRIMÓNIOS 55
(BADALADAS - 24 JAN 2014)





PATRIMÓNIOS 54
(BADALADAS - 3 JAN 2014)






PATRIMÓNIOS 53
(BADALADAS - 13 DEZ 2013)





PATRIMÓNIOS 52
(BADALADAS - 22 NOV 2013)







PATRIMÓNIOS 51
(BADALADAS - 1 NOV 2013) 



PATRIMÓNIOS 50
(BADALADAS - 11 OUT 2013)




PATRIMÓNIOS 49
(BADALADAS - 27 SET 2013






PATRIMÓNIO 48

(BADALADAS, 30 AGOSTO 2013)



GENTE DA NOSSA TERRA
 (1ª Parte)

 LEONOR MADEIRA


ESTE TEXTO E O PRÓXIMO (A 20 DE SETEMBRO), SÃO DA RESPONSABILIDADE DE LEONOR MADEIRA, PESSOA MUITO CONHECIDA E ESTIMADA DOS TORRIENSES.
PORÉM, SÃO TEXTOS QUE FOGEM À NORMA INSTITUÍDA PARA ESTA COLUNA, PORQUE CONSTRUÍDOS, NA SUA MAIOR PARTE, POR QUADRAS QUE OBEDECEM A RIMA – ASSIM SE GERANDO UMA AMBIÊNCIA SONORA AGRADÁVEL AO OUVIDO E SE TORNANDO FACILMENTE ASSIMILÁVEIS. SÃO VERSOS DE 1994, CHEIOS DE SAGEZA E BOM HUMOR, QUE SERVIRAM PARA ASSINALAR UM «ALMOÇO DOS CASTELHANOS», ISTO É, GENTE NATURAL DO CASTELO.
ESTA MEMÓRIA EM VERSO ESTABELECE UMA DUPLA IDENTIFICAÇÃO: POR UM LADO, REGISTA A PROFISSÃO OU A ACTIVIDADE PRINCIPAL DO NOMEADO; POR OUTRO, O QUE LHE CONFERE MAIOR GRAÇA E SINGELEZA, INDICA O NOME POR QUE ESSA PESSOA É MAIS CONHECIDA, A SUA ‘ALCUNHA’, – PRÁTICA HABITUAL NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO EM AMBIENTES MAIS RESTRITOS.
NA EDIÇÃO DESTA SEMANA A MENÇÃO É ATRIBUÍDA A ESSAS MULHERES SINGULARES. NA EDIÇÃO DE 20 DE SETEMBRO É DADA A VEZ AOS HOMENS DESSE TEMPO.
PARA QUE A «GENTE DA NOSSA TERRA» PERMANEÇA EM NOSSA MEMÓRIA.



Primeira mulher bombeira,
quantos se lembrarão dela?
Tinha ar de feiticeira,
era a Ti Ana Gamela.

É manhã e já se adivinha
outro dia de canseira.
Vou a correr à escadinha,
vou à Ti Ana Padeira.

Quantos ferros de engomar
passaram de mão em mão,
e já tinham que ir comprar
na Adriana o carvão.

A Catarina Leiteira
boa mulher tagarela,
massarocas não havia
tão gostosas como as dela.

A Ti Pisca Sapateira
era única no ofício,
falas e boas maneiras
tinha o cigarro por vício.

A Maria das Ovelhas
tinha ar de rabitesa,
mas era boa pessoa
era a Maria Tripeira.
P’ra ganhar o pão p’ra mesa
nem sempre a vida foi boa.

Rapazes em zaragata
numa zanga repetida,
ai Jesus que vejo sangue
e uma cabeça partida.

Vou levá-lo à Ti Arminda
com seu jeito de enfermeira.
Com tintura e sulfamida
vai ficar tudo à maneira.

E um pouco mais adiante
outra mulher existia
duma forma bem diferente,
porque essa mulher não via
sequer o rosto da gente.
Seria feia ou formosa?
A Ti Conceição Moléstia
uma mulher corajosa.

A Emilinha da Boina
era alegre e divertida.
Que saudades tenho dela!
E ironia da vida
p’rós pobres ela pedia,
não pedia para ela.

E ao subirmos a encosta
para aliviar as canseiras,
Ti Bazaliza curtia
suas lindas sardinheiras.

Nesse tempo ainda havia
profissão de aguadeira.
Ti Joaquina Caramuja
era então um belo exemplo.
Mila Gaipa era também
lavadeira desse tempo.

Outra Mila ainda havia
vendendo tremoço a tantos.
Mila Guita ficaria
na história dos castelhanos.


Mas a Maria Cachucha, foi a mais castiça de todas.Com seu avental e botas, era talhante e mística. Sempre igual a si própria em seu palavreado arrevesado, foi um marco que ficou na memória de toda a gente.



............................................................................................................

PATRIMÓNIOS 47

(BADALADAS, 9 DE AGOSTO 2013)


OS JOGOS DA MINHA INFÂNCIA
(2ª Parte)


QUIM GAGO



Na sequência do texto anterior (1ª Parte, em 19 de Julho) que terminava com uma referência ao futebol de rua – jogo preferido nesse tempo – é justo que se diga que as brincadeiras da infância não se limitavam ao futebol, pois além do futebol havia os jogos tradicionais que tinham os seus períodos próprios. Assim, havia épocas destinadas para o jogo do pião, para o berlinde, para as caricas, para as caixas de fósforos, para o jogo do prego, para a troca dos ‘cromos’ da bola, etc.
No jogo do pião fazia-se um buraco na terra e colocava-se lá um pião, um pião velho e já sem serventia. O jogo consistia em fazê-lo retirar do buraco, acertando em cheio através de repetidos lançamentos.
Para o jogo do berlinde eram feitas três covas pequenas no chão a igual distância e que serviam para se enfiar em cada uma delas o berlinde através de sucessivas tentativas. Ganhava quem eliminasse mais rapidamente os parceiros de jogo. Nesse tempo a esfera de vidro era retirada dos pirolitos, bebida gaseificada de água e limão, muito corrente na época.
No jogo das caricas fazia-se na terra dois pequenos montes paralelos com obstáculos, curvas e contracurvas, até o primeiro chegar ao fim como vencedor. E como tínhamos um percurso natural mais limpo – que era no degrau da mercearia da antiga ‘Casa Ângelo’, no largo do Grilo – utilizávamos essa espécie de ‘pista’ que acompanhava todo o comprimento do edifício.

Eram estes os jogos do costume. Mas havia outros, conforme a arte e o engenho de cada um. Por exemplo, fazíamos barcos de papel ou com cascas de pinheiro. Dava prazer construir essas pequenas caravelas e pô-las a navegar nas valetas, após uma boa chuvada. O pior era as palmadas que apanhávamos quando chegávamos a casa todos molhados. Por vezes, construíamos o nosso próprio carro de rolamentos para imitar os adultos. Então íamos à Nova Serração Torreense, junto à Ponte da Mentira, (onde actualmente existe o «Novo Dia») pedir ao Ti Zé Marujo, e mais tarde ao Raimundo Portas, retraços de madeira para se fazer o chassis, mas também o eixo dianteiro, móvel, onde se instalavam as rodas que podiam guinar, ora para a esquerda, ora para a direita. Sendo o lugar do assento feito de um caixote de sabão, encomendado ao merceeiro. Assim, cada um se empenhava conforme a sua imaginação na construção desses bólides com que dávamos as nossas voltas e fazíamos os recados às mães. Mas também com os aros das bicicletas e uma gancheta de arame lá estava encontrado um outro brinquedo que tornava o tempo da infância um verdadeiro regalo. Além destes havia outro tipo de bólides, construídos com um carro de linhas e uma cana. Expliquemo-nos melhor. Começávamos por pedir às modistas ou aos alfaiates um carro de linhas grande. Depois apanhávamos uma cana grossa fazendo um corte em forma de V na extremidade para encaixar no carro de linhas. Havia quem fizesse em arame grosso as rodas e o eixo. E lá estava um bólide prontinho para a corrida.
Eram estes os jogos mais comuns – jogos construídos a partir de materiais pobres, mas sobretudo fruto da imaginação e do improviso – e em que certamente as pessoas desse tempo ainda hoje se revêem.

± Texto escrito ao abrigo do antigo acordo ortográfico


................................................................................

PATRIMÓNIOS 46
(clicar)

Texto de Joaquim Gago, publicado em 19 de Julho de 2013
PATRIMÓNIOS 43, 44 E 45
(clicar)


Textos de Ninéu ( Vitor Sobreiro) publicados em 17 de Maio, 7 de Junho e 28 de Junho de 2013




PATRIMÓNIOS 42
(clicar)

Texto de Emanuel de Carvalho, publicado em 26 de Abril de 2013




PATRIMÓNIOS 41
(clicar)

Texto de Emanuel Carvalho publicado em 5 de Abril de 2013



PATRIMÓNIOS 40
(clicar)

Texto de Emanuel Carvalho, publicado em 15 de Março de 2013





PATRIMÓNIOS 35 a 39 
(clicar)

Três textos de Isabel Luna ( 9 Nov, 21 Dez 2012, 11 Jan 2013 )
Dois textos de Emanuel Carvalho( 1 Fev, 22 Fev 2013)
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

PATRIMÓNIOS 33 e 34
(clicar)

Dois textos de José Pedro Sobreiro

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

PATRIMÓNIOS 23 a 32

(clicar sobre cada data):


Clicar sobre "PATRIMÓNIOS ... 


PATRIMÓNIOS 22 


RESSUSCITAR O CENTRO HISTÓRICO (III Parte)
                                                    (BADALADAS, 10 FEVEREIRO 2012)


André Tavares, Arquitecto







* * * 




PATRIMÓNIOS 21

BADALADAS, 20 JANEIRO 2012

RESSUSCITAR O CENTRO HISTÓRICO (II Parte)
André Tavares, Arquitecto


         * * * 

PATRIMÓNIOS 20



Publicado no BADALADAS em 30 dezembro 2011


RESSUSCITAR O CENTRO HISTÓRICO

André Tavares, Arquitecto


             
                                                                          * * *                                                                  
PATRIMÓNIOS 19




                                                           BADALADAS, 9 dezembro 2011



É ÚTIL LEMBRAR A IMPORTÂNCIA TURÍSTICA DO CASTELO
NO CONTEXTO DO CENTRO HISTÓRICO

PAULO MOREIRA
(Arquitecto)


                                                                            * * * 


PATRIMÓNIOS 18


                                                      BADALADAS, 18 novembro 2011



OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO CENTRO 

HISTÓRICO
(III Parte)

EZEQUIEL DUARTE
( Economista )



                                                                         * * *


PATRIMÓNIOS 17



BADALADAS, 28 outubro 2011

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO
PARA O CENTRO HISTÓRICO DE TORRES VEDRAS
(II Parte)
                                                          
EZEQUIEL DUARTE
( Economista )


* * * 
PATRIMÓNIOS 16


BADALADAS,  7 OUTUBRO 2011


Oportunidades de Investimento
para o Centro Histórico de Torres Vedras
(IParte)
EZEQUIEL DUARTE
( Economista )



                                                                                 * * * 


PATRIMÓNIOS 15

Publicado no BADALADAS em 15 agosto 2011

ERA UMA VEZ…UMA CASA
 José Pedro Sobreiro *

                                                                                * * *
PATRIMÓNIOS 14


Publicado no BADALADAS em 26 agosto 2011

Perspectivas do Centro Histórico

Fotos de Mário Hipólito


                                                                                  * * *
PATRIMÓNIOS 13

Publicado no BADALADAS de 22 JULHO 2011



O Centro Histórico no tempo das Invasões (II Parte)
A população urbana da paróquia de Santa Maria do Castelo de 1805 a 1815
João Flores Cunha

***

PATRIMÓNIO 12

Publicado no BADALADAS DE 1 JULHO 2011




O Centro Histórico no tempo das Invasões ( I Parte)
 Os limites da Vila no primeiro quartel do século XIX
João Flores Cunha (Estudioso da História Local)


                                                                               ***
 

Publicado no BADALADAS de 10 de Junho 2011

Actividade comercial no Centro Histórico - como ultrapassar alguns constrangimentos 
(III Parte)
FERNANDO JORGE FABIÃO ( Jurista )

*** 

PATRIMÓNIOS 10



Publicado no BADALADAS em 20 Maio 2011

Actividade comercial no Centro Histórico – como ultrapassar alguns constrangimentos 
                                                                       ( II Parte)


FERNANDO JORGE FABIÃO ( Jurista )
***


PATRIMÓNIOS 9

Publicado no BADALADAS EM 29 ABRIL 2011
Actividade comercial no centro histórico - como ultrapassar alguns constrangimentos
Fernando Jorge Fabião (Jurista)
***

PATRIMÓNIOS 8

Publicado no BADALADAS em 8 ABRIL 2011
A Antropologia Urbana e a etnografia dos centros históricos – III
As flores da Rua de S. Miguel

Joaquim Ribeiro (Jornalista, Mestre em Antropologia)

*** 
 
PATRIMÓNIOS 7

Publicado no Badaladas em 18 Março 2011


A ANTROPOLOGIA URBANA E A ETNOGRAFIA DOS CENTROS HISTÓRICOS – II

OS CASTELHANOS OU A “COMUNIDADE IMAGINADA”


Joaquim Ribeiro
***

PATRIMÓNIOS 6



Publicado no jornal BADALADAS em 25 fev 2011

A Antropologia Urbana e a etnografia dos centros históricos - I

Enquadramento geral


Joaquim Ribeiro
***
 
PATRIMÓNIOS 5


Publicado no “BADALADAS” em 11 de Fevereiro de 2011

 Imóveis devolutos e desagravamento fiscal (IMI) – uma proposta para a sustentabilidade cultural da cidade


Rui Matoso (rui.matoso@gmail.com)

***
 
PATRIMÓNIOS 4



Publicado no jornal "BADALADAS" em 28 janeiro 2011


ESPAÇOS DEVOLUTOS, NOVOS HABITANTES

E REJUVENESCIMENTO CULTURAL.

Rui Matoso
***

PATRIMÓNIOS 3

Publicado no jornal “Badaladas”, em 30 de dezembro de 2010


As casas devolutas no Centro Histórico

Rui Matoso

PATRIMÓNIO 2





AINDA A PROPÓSITO DE "BRINCAR ÀS CASINHAS"
José Pedro Sobreiro
***
PATRIMÓNIOS 1


                                                                        
Publicado no BADALADAS em 19 de Novembro de 2010



BRINCAR ÀS CASINHAS
José Pedro Sobreiro